terça-feira, 25 de julho de 2017


Foz do Iguaçu abriga uma importante reserva natural do Brasil e uma das mais belas atrações naturais do mundo: as Cataratas do Iguaçu, cartão-postal localizado na tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Para conhecer de perto este espetáculo natural eleito uma das Novas Sete Maravilhas da Natureza, você pode visitar os mirantes e as passarelas do Parque Nacional do Iguaçu. Aproveite o passeio na cidade e descubra a rica biodiversidade do Parque das Aves e a gigantesca Usina Hidrelétrica de Itaipu. Reserve tempo para visitar a região vizinha, conhecida como paraíso das compras, como no free shop de Puerto Iguazú, na Argentina, e o comércio de Ciudad del Este, no Paraguai.
Nos meses de outubro a março as cataratas têm maior volume de água, mas o inverno e as demais épocas também garantem boas fotos e uma bela vista dos saltos. Com o acesso fácil aos países vizinhos, há atrativos na região durante o ano todo.
Foz do Iguaçu abriga a segunda maior comunidade libanesa do Brasil, perdendo apenas para São Paulo. Já nas Cataratas, a maior queda d’água é a da Garganta do Diabo, com 700 metros de extensão.

O visual das cataratas domina a paisagem de Foz do Iguaçu. Antes de conhecer os saltos de perto, veja curiosidades sobre as cachoeiras e opções de passeios para montar seu roteiro com tempo para visitar os pontos turísticos da cidade e fazer compras nos países vizinhos.











Confira as Atrações

Depois de conhecer as exuberantes Cataratas do Iguaçu, não deixe de explorar outros locais incríveis. O Iporã Show (apresentações folclóricas), o tour pela Usina Hidrelétrica de Itaipu, a visita ao Parque das Aves e o Vale dos Dinossauros são imperdíveis. Confira!

Cataratas do Iguaçu

A paisagem de tirar o fôlego das Cataratas do Iguaçu é repleta de cachoeiras que chegam a cerca de 80 metros de altura. Os visitantes podem ver tudo de perto, por meio de trilhas, passarelas ou passeios de barco. Cinco das 19 principais quedas d’água ficam em território brasileiro e boa parte dos saltos do lado argentino podem ser vistos dos mirantes instalados no Brasil. As quedas surgem graças ao estreitamento do rio Iguaçu, que passa de 2.780 metros a apenas 65 metros de largura. O local é considerado uma das Novas Sete Maravilhas da Natureza.

Parque Nacional do Iguaçu

A reserva natural do Parque Nacional do Iguaçu, área que abriga as famosas Cataratas do Iguaçu, é considerada Patrimônio Natural da Humanidade pela Unesco. O parque responde pela preservação de espécies de animais que correm risco de extinção, como a onça pintada e o jacaré de papo amarelo. Ao longo de sua extensão, engloba florestas intocadas e uma das paisagens naturais mais importantes do País, como o rio Iguaçu e o Parque Nacional Iguazú, na Argentina.

Usina Hidrelétrica de Itaipu

A Usina Hidrelétrica de Itaipu, uma das maiores do mundo tanto em tamanho quanto em geração de energia, é aberta ao público para visitas panorâmicas, passeio pelas áreas internas e até espetáculos noturnos com som e luzes. A usina binacional, gerenciada por Brasil e Paraguai, também é muito procurada por outras atrações, como tours de barco pelo lago Itaipu e o Ecomuseu, com exposições sobre a história da usina e da região.
ENDEREÇO: Avenida Tancredo Neves, 6.731 | Foz do Iguaçu

Iporã Show

O local oferece apresentação de dança e se tornou ponto turístico disputado pelos visitantes. O espetáculo tem mais de 50 artistas e representa a diversidade cultural dos países da América Latina, além da história das quedas d’água da região. Músicas, danças, roupas típicas e muita  animação estão entre os diferenciais do show.
ENDEREÇO: Avenida das Cataratas, 1.749 | Foz do Iguaçu

Parque das Aves

Veja de perto a diversidade da fauna e da flora da região no Parque das Aves. O local tem como diferencial as aves, que circulam à vontade entre os visitantes, mas também abriga cobras e outros répteis. Tudo isso em um espaço de 16,5 hectares. São mais de 800 animais entre corujas, harpias e araras. Destaque para espécies brasileiras, como o tucano. O parque  fica ao lado do Parque Nacional do Iguaçu.
ENDEREÇO: Avenida das Cataratas, km 17,1 | Foz do Iguaçu

Parque Aquático Termal

Localizado a cerca de uma hora de carro de Foz do Iguaçu, o Parque Aquático Termal Lago de Itaipu é um grance complexo de turismo e diversão. Entre as atrações estão piscinas termais, piscina de onda, toboágua e hidromassagem.
ENDEREÇO: Lote 171 B, Parque Gleba 14, Imóvel Guairacá | Itaipulândia

Vale dos Dinossauros

Uma das mais novas atrações de Foz do Iguaçu, o Vale dos Dinossauros oferece uma verdadeira viagem no tempo com réplicas desses gigantes. Em meio aos ambientes que simulam a vegetação da época, há replicas de aproximadamente 20 espécies de dinossauros. Destaque para o Tiranossauro Rex, com 23 metros de altura. Os bonecos são mecanizados com tecnologia que simula movimentos e sons.
ENDEREÇO: Avenida das Cataratas, 8.100 | Foz do Iguaçu Park Show | Foz do Iguaçu

Museu de Cera

Veja de perto estátuas feitas de cera de personalidades do Brasil e do mundo, como Michael Jackson, Frank Sinatra, Beyonce, Ayrton Senna e o Papa Francisco. São mais de 80 réplicas perfeitas espalhadas pelo museu.
ENDEREÇO: Avenida das Cataratas, 8.100 | Foz do Iguaçu Park Show | Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu, Paraná ótimas atrações

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Ilha com praia e atrações incríveis.

Com praias fantásticas, população animada e arquitetura com referências inglesas, Barbados é um dos destinos caribenhos que vale a pena explorar. A ilha, banhada pelo Oceano Atlântico de um lado e pelo Mar do Caribe do outro, tem dias ensolarados e calor na maior parte do ano. Além da riqueza cultural, resultado da ocupação indígena e europeia no passado, e da intensa relação com a natureza, você também encontra lugares tranquilos para praticar surfe ou mergulho, assim como opções de passeios na capital Bridgetown. Reserve tempo para conhecer praias paradisíacas, como Accra Beach e Bottom Bay.
A alta temporada vai de dezembro a maio. O período de junho a novembro é de preços baixos e a temperatura da água do mar fica mais agradável. Nesta época também costumam ocorrer pancadas de chuva.
Acredita-se que mais da metade do território de Barbados seja formado por calcário de corais. Segundo especialistas, isso torna a ilha fonte de água pura, diferencial que contribuiu para o sucesso no sabor do rum, bebida produzida no país há mais de 300 anos.
Barbados é o destino perfeito para encontrar praias que mais parecem cinematográficas. O mar em vários tons de azul e as areias brancas convidam para fotos e passeios inesquecíveis. Também vale a pena se aventurar em reservas naturais e na famosa caverna Harrison’s Cave, assim como conhecer a arquitetura colonial e o tradicional rum produzido na ilha.

Barbados, Caribe

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Siga esse passo a passo e veja como é fácil conseguir seu visto americano.


Muita gente sonha em conhecer os Estados Unidos, mas entra em pânico só de ouvir falar em tirar o visto americano.
A verdade é que quase todo mundo sente aquele frio na barriga quando pensa no visto, fica imaginando que é um processo cansativo, extremamente caro e com grandes chances de dar errado.
O que vamos tentar fazer aqui é desmistificar a questão do visto americano para vocês. É claro que você sempre pode recorrer a uma empresa especializada em dar entrada em vistos, mas isso vai incorrer em mais custos (e ninguém quer mais custos, não é mesmo?!).
Então, criamos um passo a passo que vai te ajudar a solicitar seu visto americano de maneira simples e prática.

1º passo: Preencher o formulário DS – 160


Formulário DS – 160. U.S Department of State.
A primeira etapa no seu processo de solicitação do visto americano é preencher o formulário DS – 160, que está disponível no site https://ceac.state.gov/genniv/ .
Primeiro você seleciona o consulado aonde você quer ir, depois você clica no botão vermelho (start an application) para dar início à sua solicitação.
Lembrando que, se você quer o visto mais comum, que é usado para turismo ou viagens de negócios, esse é o visto americano B1/B2.
O que é importante saber sobre esse formulário é que ele tem que ser necessariamente preenchido em inglês, inclusive colocando seu endereço no formato americano. Ex.: se você mora na “Rua Magalhães Pimentel, 123”, você colocará no formulário “123, Magalhães Pimentel Street”.
As perguntas são feitas em inglês, mas colocando o mouse sobre elas, você verá a tradução.
Todas as informações colocadas no formulário têm que estar corretas. Caso você cometa algum erro, pode sempre voltar e corrigi-lo, antes de finalizar sua aplicação.
Além disso, se você precisar parar de preencher o formulário antes do fim, você pode salvar suas informações para voltar de onde parou. Então, é importante que você sempre salve cada etapa concluída.
Você não precisará anexar uma foto sua na aplicação. Eles irão tirar uma foto sua quando você for ao Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (CASV).

Visto Americano

2º passo: Pagar a taxa do visto

Depois de preencher o formulário DS – 160, corretamente, com todos os seus dados, é hora de pagar a taxa de solicitação do seu visto americano.
Ela custa US$ 160 e esse valor pode ser pago em uma parcela no cartão de crédito ou pelo boleto bancário. Fique atento à data de vencimento do boleto, caso use essa forma de pagamento.
Depois que pagar a taxa do visto, espere 48 horas para agendar sua entrevista.

3º passo: Agendar sua ida ao CASV e sua entrevista

Passadas 48 horas após o pagamento da taxa, você já poderá agendar sua ida ao CASV e a sua entrevista (lembrando que elas ocorrem em dias diferentes e a ida ao CASV tem que ocorrer antes da entrevista no consulado/embaixada).
As datas agendadas dependem da disponibilidade do CASV e do consulado da cidade que você escolheu no começo.
Em algumas cidades, como a demanda é menor, há maior disponibilidade de datas mais próximas.

4º passo: Ida ao CASV

Como eu falei, você precisa ir ao CASV antes de comparecer para sua entrevista no consulado. Por que? Porque é lá que você irá tirar foto e cadastrar todas as suas digitais.
Para entrar no CASV, você precisará estar com seu passaporte e com a página de confirmação da sua solicitação do visto.

5º passo: Ida ao consulado/embaixada

Até agora estava tudo muito lindo e prático. Mas é só falar na entrevista no consulado e a gente já acha que vem o pessoal do FBI investigar nossas reais intenções ao tentar entrar nas terras do Tio Sam.
Calma, queridos, não criemos pânico! Para ser sincera, minha entrevista não durou nem 3 minutos (juro!!).
A verdade é que a entrevista no consulado é muito simples e não há o que temer. Você só precisa falar a verdade e levar todos os documentos que comprovem as informações que você colocou no formulário.
No geral, as perguntas são simples e são poucas as vezes em que eles pedem alguma documentação comprobatória (mas mesmo assim leve tudo que puder), como comprovante de renda e vínculo empregatício ou estudantil.
Fiquem bem tranquilos porque, a cada ano que passa, diminui o número de brasileiros que têm seus pedidos de visto negados.

6º passo: Entrega do seu passaporte com o visto


Passaporte
Na verdade, essa nem é mais uma etapa.
Como você provavelmente terá seu visto aprovado, o seu passaporte ficará no consulado no dia da entrevista e ele será entregue a você, já com o visto, da forma que você escolheu: ou será retirado no CASV ou será entregue em casa por uma transportadora.
A entrega é rápida e geralmente dura menos de 10 dias.
Viu, gente?! Não tem nenhum bicho de sete cabeças, acreditem em mim. Essas solicitações de visto já foram bem mais complexas e burocráticas, mas hoje está tudo muito mais rápido e tranquilo.
Não tem segredo nenhum: é só seguir esses passos direitinho e suas chances de conseguir o visto americano são imensas!

Veja como tirar o visto americano

terça-feira, 4 de julho de 2017

Beatriz Monteiro/UOL
Vista do skyline de Nova Jersey Beatriz Monteiro/UOL

Nova York , destino obrigatório

Nova York nunca precisou de uma “desculpa” para ser visitada. A cidade mais cosmopolita entre todas as cosmopolitas é um destino obrigatório, mesmo que uma vez na vida.
A cidade ocupa o primeiro lugar no ranking como a mais populosa dos Estados Unidos. De acordo com o último dado fornecido pelo serviço nacional de recenseamento, em 2000, era possível ouvir cerca de 170 idiomas falados regularmente na cidade, que é divida por cinco distritos: Manhattan, Bronx, Queens, Brooklyn e Staten Island.
É difícil identificar o cidadão nova-iorquino. Hoje, porto-riquenhos, coreanos, chineses, sul-africanos, brasileiros, paquistaneses estão por trás do que se respira por ali. Portanto, ao comprar o bilhete de avião você já fez um bom negócio. Pagando para conhecer apenas uma cidade, você terá a oportunidade de visitar outras do mundo. Prepare-se para uma metrópole única e tenha certeza que, ao voltar, sua cabeça não será a mesma.
Margeada pelo rio Hudson, Manhattan corresponde à área mais rica de Nova York. É onde estão localizados o centro financeiro, na famosa Wall Street, a sede da ONU (Organização das Nações Unidas) e das principais universidades: Nova York University (NYU) e a Universidade de Columbia. A ilha de Manhattan pode ser dividida em três partes: Uptown (tradução literal para “parte de cima da cidade”) possui no seu coração o Central Park. Ainda um pouco mais acima, a região é conhecida como “Way Uptown” (na tradução literal, “muito mais acima”) é onde estão bairros como o Harlem.
O meio da cidade, Midtown, é a região em que se localiza o Rockefeller Center e bairros como Chelsea, Gramercy e Hell’s Kitchen. E a parte de baixo da cidade, Downtown, onde se localizam, na ponta da ilha, o Financial District, em que já se pode avistar a Estátua da Liberdade; a ponte do Brooklyn e também a área onde estão os idolatrados bairros Tribeca, Chinatown, Lower East Side, West e East Village e Soho.
O interessante em Nova York é que a paisagem nunca é a mesma. Por mais que se passe um tempo nela, você nunca se comporta da mesma forma. Sempre há algo de novo para visitar.
Nova York não recebe apenas um tipo de turista. Os roteiros para conhecer a cidade são infinitos e podem ser feitos até mesmo de forma temática, como conhecer, por exemplo, a cidade a partir de visitas a locações de grandes filmes rodados ali. Assim, como em qualquer lugar, o importante não é o número de dias rodados e, sim, como você os vivencia.

Como chegar

Do Brasil, o mais comum é desembarcar no aeroporto JFK. O percurso até Manhattan pode ser feito de táxi, de ônibus (barato, mas desconfortável caso esteja com mala grande), metrô (bem barato, mas inviável com malas) ou serviço privado de Van.
A viagem de táxi dura mais ou menos uma hora e custa em torno de US$ 50. De ônibus, a viagem não é tão complicada se você estiver com uma mala de tamanho médio e sem muitos casacos para carregar. A viagem sairá por cerca de US$ 15. Os ônibus funcionam a cada trinta minutos das seis da manhã até a meia-noite. Você pode telefonar para o (718) 875-8200 para o programa de horário exato. A primeira parada é no terminal da estação Grand Central e de lá você pode pegar um shuttle que passa por diversos hotéis da cidade. New York Airport Service Express Bus, www.nyairportservice.com
Há também a opção de contratar o serviço de van, que costuma reunir um grupo de pessoas que vão para destinos próximos ao seu. O valor é semelhante ao do táxi. No aeroporto há um guichê onde é possível se informar sobre os horários e empresas que oferecem o transporte. Há inúmeras empresas que prestam esse serviço, como a www.supershuttle.com.
E, se ao pisar na cidade, já quiser se aventurar, pegue o chamado AirTrain, que o levará até o metrô. A viagem custará menos de US$ 10 por pessoa, mas durará em torno de uma hora e meia para chegar ao destino final.


Rodovias
As principais rodovias (highways) de acesso a Nova York passam por Boston e pela Filadélfia.
Trajeto 1: De Boston, ao norte, para Nova York, a viagem tem 342 km. São percorridos cerca de 160 km na 90 West e depois na 84 West, já atravessando Connecticut. A outra metade da viagem é pela 91 South e 95 South. O último trecho se faz pela 278 West, já no Bronx, norte da ilha de Manhattan.
Trajeto 2: Partindo da Filadélfia, ao sul, a viagem de 150 km começa pela 95 North, cruzando New Jersey, e prossegue pela US 1 N. Os trechos finais serão percorridos na US 19 N, em Jersey City, chegando a Nova York, ao sul da ilha de Manhattan, por meio do Holland Tunnel, no rio Hudson.
Aeroportos
JFK International Airport
JFK International Airport, Jamaica, NY
Tel: 1 (718) 244-4444
www.panynj.gov/airports/jfk.html
La Guardia Airport
La Guardia Airport, Flushing, NY
Tel: 1 (718) 533-3400
www.panynj.gov/airports/laguardia.html
Newark Liberty
Newark Airport, Newark, NJ
Tel: 1 (973) 961-6000
www.panynj.gov/airports/newark-liberty.html
Rodoviária
Port Authority Bus Terminal
625 8th Ave., Midtown West/41Street & 8th Ave
Tel: 1 (212) 564-8484
www.panynj.gov
Estações de trem
Grand Central Terminal
Park Ave. and East 42nd Street, Midtown East
Tel: 1 (212) 340-2210
www.grandcentralterminal.com
Penn Station
234 W. 31st Street-Pennsylvania Station
8th Avenue e W. 31st/33rd Streets (NY)
Tel: 1 (212) 630-6401 (Amtrack) 800-872-7245
www.amtrak.com

Qual a melhor época para ir?

Há atividades durante o ano inteiro na cidade, por isso não há uma melhor época nesse sentido. As estações são bem definidas. Por conta disso, lembre-se que que o inverno nova-iorquino pode ser incômodo para quem não está acostumado. A neve é praticamente certa em dezembro e janeiro. Já o verão pode ter picos acima dos 30ºC, além de ser úmido, o que aumenta a sensação térmica.

Informações úteis

Idioma: Embora o inglês seja a língua nativa, não se espante ao encontrar pessoas falando as mais diversas línguas. A maioria dos restaurantes é possível se virar em espanhol. Em bairros específicos, como no Little Italy, o italiano funciona normalmente.
Fuso horário: O relógio brasileiro está uma hora adiantado em relação a Nova York. Durante o nosso horário de verão, a diferença sobe para duas horas.
DDI: Para discagem internacional, faça o seguinte:
Prefixo internacional (00) + operadora + 1 (código dos Estados Unidos) + 212 (código da cidade de Nova York) + o número do telefone desejado.
Códigos de acesso da cidade: 212 é o código de Manhattan. Outros códigos da cidade são:
718 – Brooklyn, Queens e Staten Island
347 – Inwood
Telefone: Para ligar de Nova York para o Brasil deve-se discar 011 55 antes do DDD da cidade e do número de telefone. Para telefonar para outras cidades dos Estados Unidos é preciso discar 1 antes do código de área da cidade e do número do local.
Telefone local de emergência: 911 (para emergências médicas, incêndio e polícia)
Informações turísticas: Todas as informações turísticas, incluindo guias de alimentação, teatros e eventos culturais, podem ser obtidos pelo site www.nycgo.com.
Moeda: Dólar americano.
Câmbio: Para trocar travelers cheques em Los Angeles, procure as agências American Express, que não cobram para trocar os cheques da própria marca. As agências centrais de grandes bancos também fazem o câmbio, mas cobram comissão de 0,50% a 2,5% sobre o valor trocado, ou taxa de US$ 10 a US$ 30, por transação. O horário de funcionamento dos bancos é flexível, mas a maioria funciona de segunda a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados, das 9h às 14h. Quem tem cartão de débito internacional pode usar os caixas eletrônicos ATM para retirar dólares. Há um limite diário que varia de US$ 200 a US$ 300, sem cobrança de IOF.
Gorjetas: As gorjetas nos EUA não são incluídas na conta, mas é praxe pagar entre 15% e 20% sobre o valor total gasto em restaurantes, bares, corridas de táxi e salões de beleza. Normalmente, os clientes dão 16%, o dobro do valor do imposto cobrado pelo Estado da Califórnia, que é de 8,5% e que vem incluído nas notas fiscais de qualquer produto ou serviço. Em bares, inclua um dólar por drinque. O carregador de mala do hotel recebe um dólar por volume.
Correios: Os post offices (agências dos Correios) estão espalhados por toda a cidade e funcionam de segunda a sexta, normalmente, das 8h às 16h. Algumas agências abrem aos sábados, das 10h às 17h.
Internet: O acesso à internet pode ser obtido em quase todos os hotéis, bares e cafés. Muitos oferecem acesso gratuito e conexão rápida e sem fio. Normalmente, há avisos de “Wireless Hotspot” ou “Free Internet”.

Segurança: Nova York tem uma das menores taxas de violência do mundo e a menor entre as 25 maiores cidades dos EUA. Andar a pé em Manhattan é extremamente tranquilo. De suas áreas, o Bronx apresenta o maior grau de violência.
Voltagem e tomadas: A voltagem mais comum é de 110 volts, mas há hotéis e residências que usam também a de 220 volts. As tomadas têm dois pinos planos, um mais largo e outro mais estreito. Recomenda-se levar um adaptador caso esteja com algum eletrônico brasileiro na viagem, como laptop, ferro de passar roupa ou secador de cabelo.
Pesos e medidas: Nos EUA, em vez de graus centígrados, mede-se a temperatura em Fahrenheit. Em lugar de quilo, usa-se libra para peso. E, em vez de quilômetros, calcula-se distância em milha. Litros devem ser convertidos em galões. Veja a equivalência.
1 milha = 1,61 km
1 lb. = 453,59 g
1 galão = 3,787 litros
32F = 0ºC
Visto: Para solicitar um visto de turista para os EUA, é preciso acessar o site https://ceac.state.gov/genniv/default.aspx, preencher o formulário DS-160 e pagar uma taxa única de US$ 160 (valor não reembolsável em caso de negativa do visto). O pagamento pode ser feito diretamente pelo site do agendamento, em dinheiro nas agências do Citibank ou por boleto bancário.
Agora há dois processos a seguir. O primeiro é agendar a coleta de dados biométricos (foto e impressão de digitais) em um CASV (Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto). Leve o passaporte e a confirmação do formulário DS-160. Pessoas com mais de 66 anos ou menos de 15 não precisam coletar as digitais, apenas entregar uma fotografia 5×7 e a página de confirmação do DS-160.
O segundo passo é marcar a entrevista na Embaixada, no Distrito Federal, ou nos consulados do Rio de Janeiro, São Paulo e Recife. Recomenda-se agendar a entrevista com pelo menos dois meses de antecedência.
Controle de imigração: Conseguir visto de turista não garante a entrada nos EUA. Os oficiais de imigração podem mandar o visitante de volta para casa caso tenham motivos para acreditar que se trata de um terrorista ou de alguém que tem intenção de morar ou trabalhar ilegalmente no país. O antigo formulário I-94 (aquele papelzinho branco que era entregue durante o voo) foi extinto.


Nova York

Ipemig Pós Graduação EAD
Ipemig Pós Graduação EAD
todas as pós-graduaçãoes por 15x 99,00 + matricula de R$150
 
Aumente a sua possibilidade de empregabilidade
e progressão salarial com um curso de pós graduação
 
Carga horária diferenciada   Educação a Distância (EAD)

Carga horária diferenciada

Educação a Distância (EAD)

Carga horária a partir de 580h.
Certificado pronto entre 30 e 90 dias.

Forma rápida e prática para adquirir
conhecimento de qualidade.
   
MEC Preço acessível

MEC

Preço acessível

Todos os cursos com diplomas
reconhecidos pelo MEC.

Facilidade de pagamento e descontos
ao indicar amigos.
 
Faça uma especialização
acessível e de qualidade.
Garanta a sua vaga

*Carga horária de 580 horas, duração mínima de 6 meses. Consulte os cursos disponíveis para esta carga horária.
**Condição especial para todos os cursos da Educação Especial. - Veja as condições que preparamos para a sua área!